sexta-feira, 1 de outubro de 2010

O Flamengo e o Brasil

O Flamengo e o Brasil


Ao analisar o Flamengo e seus altos e baixos, nos últimos anos, sempre vi algo de semelhante com o País.

Em tempos de eleição, tocar nesse assunto é muito bem oportuno. As pessoas tem que entender que o sistema é podre e a máquina é corrupta e emperrada e para mudar isso, creio, que o mais importante é ter um Legislativo (Senadores, deputados e vereadores – para aqueles que não sabem... acreditem, muitos não sabem), em sua maioria, sério, competente e comprometido com a nação.

O eleitor não tem a noção da importância do Poder Legislativo. Para terem uma idéia, se tivermos um canalha a frente do Poder Executivo, com um Legislativo sério, nada esse canalha poderá fazer, pois será hiper fiscalizado e vetado, pelos legisladores.

Agora, com um Legislativo ruim, nem a Madre Teresa de Calcutá, consegue gerir um País, Estado ou Município. Pois ela não conseguiria aprovar nada que não atendesse ao balcão de negócios instalados na maioria das viciadas Câmaras do Brasil.

Mas voltemos ao Flamengo. O que acontece no Clube é justamente o que vemos no Brasil, um grupo de pessoas enraizadas nas entranhas do clube, ganhando rios de dinheiro, com negociações e mais negociações.

No Flamengo, quem manda e desmanda são empresários e seus “conselheiros comprometidos”. Sem contar que líderes de torcidas, também, determinam as diretrizes do Clube. Falta gestão profissional.

A presidente do Flamengo, Patrícia Amorim – coitada - está tentando endireitar a engrenagem, mas é difícil azeitar uma máquina que não se interessa em ficar 100% e nem pode, pois interesses pessoais (de alguns) serão contrariados, acabando com suas boquinhas.

Como no Brasil, o FLA deveria passar por profundas mudanças internas, devia tentar limpar o seu podre sistema, para ai sim, se desenvolver de maneira sólida e adequada.

É uma pena ver um Clube do tamanho do Flamengo, uma marca que vende como água, com uma torcida gigantesca e divisas astronômicas, passando por uma crise como essas. Resultado: a maior esperança de mudanças no rumo da Gávea, aquele que mais alegria deu a torcida do urubu e tentava profissionalizar a “zona rubro-negra”, Zico, não agüentou e jogou a toalha.

Perde o Clube, a Nação, o Rio e o futebol brasileiro...

Leo Caldeira

2 comentários:

AF STURT disse...

Amigo ja te linkei no http://confionomengao.blogspot.com/ , grato se dermos um link para a gente ai no "só coisa boa"

SRN

Sturt

Confio no Mengão

diego disse...

aceita parceria?
visita lá meu blog
http://mengaohexa.blogspot.com/

Postar um comentário